Aquele sobre a minha depressão

Sim, existem outras saídas e mesmo no meio da escuridão existe amor. Depois da “grande tempestade” eu achava que nunca mais conseguiria sorrir. Eu estava errado. Quando eu me dei conta de que tenho esse “passageiro sombrio” com quem tenho que conviver diariamente, eu achei que não aguentaria. Eu estava errado. No auge das minhas noites mais escuras eu cheguei a achar que não haveria mais nada e mais uma vez eu estava errado. Sempre existe amor. O amor me mantém vivo. O amor está em abundância no nosso universo, todos nós somos capazes de dar e receber amor. O amor salva vidas.

As primeiras vezes que falei sobre minha depressão lá pelo início dos anos 2000, nem eu entendia ainda o que era, soava como um garoto reclamando da vida sem motivos. Eu mesmo demorei pra entender o que se passava no meu mundo interior, entender que algumas dores eram verdadeiras e havia uma escuridão real. Só vim compreender tudo isso mais de 10 anos depois, antes disso eu me obrigava a jogar tudo pra baixo do tapete. Hoje penso que o universo realmente foi gentil comigo e as sequelas dessa atitude foram pequenas. Eu achava que era normal conversar sobre uma desilusão amorosa ou sobre perder um trabalho, mas acha que era frescura conversar sobre como era difícil levantar da cama em alguns dias. Todas as dores interiores soavam como irrelevantes e eu estava errado, elas são importantes e sempre foram.

Era difícil me convencer que demorar para entregar aquele trabalho, não era preguiça. Que desmarcar de sair com os amigos toda semana, também não. Demorei pra entender que ficar em casa quase 1 mês sem ir ao menos ao mercado, sem sair pelo hall do prédio ou descer para tomar um sol ou uma garoa na cara, absolutamente não era um comportamento normal. Os grandes eventos que acontecem na nossa vida nos marcam e nos afetam e isso é um fato, a depressão está no dia a dia, ela se esconde no detalhe. Você se sente instável e se cobra por isso. O humor não é mais o mesmo. É como se vivêssemos no automático, levantamos sem vontade, trabalhamos sem vontade, sorrimos sem vontade. Queremos dormir o tempo todo e às vezes não conseguimos dormir nunca. Nos isolamos mesmo em grupo. A ansiedade aumenta tanto quando a sensação de vazio interior. Tudo é motivo para acharmos que o mundo nos rejeita.

Apesar do meu comportamento emocional, eu sou uma pessoa bem racional e me julgo inteligente e capaz de tomar decisões baseadas em fatos, porém, mesmo assim, quando se trata de depressão, eu aprendi que sozinho eu não seria capaz de suportar. Eu pedi ajuda. Eu nunca imaginei que fosse tão difícil pedir ajuda. Eu achava que dava sinais, mas como eu disse, se eu que sentia tudo aquilo achava frescura, imagina as pessoas ao redor. Pedir ajuda foi uma das coisas mais difíceis que fiz na vida. Admitir pra mim que precisava de ajuda doeu mais do que qualquer outra coisa, mas foi ai que eu entendi um pouco mais sobre o poder do amor.

Meu irmão não tem depressão, mas ele por diversas vezes me ajudou, estudando sobre, questionando, aprendendo e ensinando. Minha mãe também não tem, mas do jeito dela, ela sempre colocou em uma posição que talvez nunca antes na vida me permitisse me aproximar tanto e me sentir tão acolhido. Tenho amigos que atravessavam a cidade para passar uma tarde comigo. Outro me mandava o mesmo convite toda semana, era o jeito dele de dizer: eu não desisto de você. Eu me vi cercado de amor e isso não tem absolutamente nada a ver com carência, isso te mostra que o amor nos mantém vivos, o amor nos aproxima e cada um demonstra amor de uma maneira. A única regra do amor é amar.

Conviver com a depressão é saber que durante um tempo vai ficar tudo bem e sim, teremos épocas ruins e isso é potencializado, todo mundo tem dias ruins, mas nossos dias ruins são um pouco mais escuros e duram por mais dias. É aprender a se respeitar, e procurar aprender sobre as dores e a escuridão interior sem julgamento, entender que está tudo bem se sentir mal e que tudo passa e não tem absolutamente nada de errado em pedir ajuda mais de uma vez. Quem te ama às vezes não sabe como ajudar, mas acredite, eles estarão lá esperando um pedido pra que possam aprender juntos. Conviver com a depressão é entender de uma vez por todas que sozinhos não somos nada nesse mundo, que viver vale a pena e estar próximo das pessoas que amamos faz a diferença sempre.

Sim, existem outras saídas e mesmo no meio da escuridão existe amor. Quando acharmos que não existe mais saída, é importante lembrar que é exatamente no segundo após o momento mais escuro da noite que tudo começa a clarear. A depressão não é o fim. Eu estou aqui. Conte comigo. Estou aqui para te ouvir sem julgamentos. Quando eu digo isso é porque eu me importo, eu quero seu bem e quero te ver bem. Se você permitir, eu vou compartilhar com você todo o amor que eu recebi e acredite, isso vai mudar os seus dias. Eu não sinto a sua dor, mas eu a entendo. 

Comentários

No Comments